Acabou! E agora? – Como Sobreviver a um Pé na Bunda

Mãe é um ser sábio. Me lembro quando, ainda um projeto de adolescente, corri pros braços dela pra chorar pitangas a cerca do meu primeiro pé na bunda. E ela, sabiamente disse – “Filha, tudo passa na vida. Ninguém morre de amor”. Na época pensei como toda adolescente que acha que os seus 14 anos  de vida lhe deram experiência suficiente pra saber mais do que o mundo: “Ela não sabe de nada. Não tem ideia de como estou sofrendo. Quero morrer.” A depressão durou algumas curtas semanas e logo já estava pronta para a próxima.

Depois do pé na bunda de estréia, vieram outros. E conforme você cresce e começa a viver relacionamentos reais e não estilo Malhação, a dor vem um pouco mais pesada também. Mas, hoje repito as palavras da matriarca – ninguém morre de amor. Pode perder uns quilinhos, faltar uns dias no trabalho, beber mais que o normal – mas morrer, nunca vi.

O pé na bunda dói tanto porque mexe na nossa casca de ferida – o ego. Se parar pra pensar, a gente sofre mais por termos sido dispensados, por imaginar que a outra pessoa vai ser feliz sem a nossa ilustre presença, do que pela falta da pessoa em si. É claro que a gente sente falta, mas o ser humano é uma criatura que se adapta em praticamente qualquer situação. No começo sente falta da companhia, como um amigo muito próximo que vai morar fora, mais depois de um tempo você já estabeleceu outra rotina e começa a se lembrar de como era sua vida antes. E percebe, que nem tudo está perdido.

Nesse momento, a fossa é necessária. É como a casquinha do machucado – dói, mas é o que recupera a ferida interna. Se permita chorar e escutar “ All by myself” no último volume – mas por um curto período de tempo. Depois, sacuda a poeira, dê uma chacoalhada em você mesmo e continue a sua vida. O mundo não para pra você sofrer.

O que eu não entendo, são pessoas que tomam um toco e ficam correndo atrás do ex que nem papparazzo atrás de artista global. Conseguiria entender se houvessem 10 pessoas no mundo – mas esse não é o caso. Se o fulano não te quer, você vai ter que aprender a viver com essa realidade: você não é a última bolacha do pacote. Deixe o outro ser feliz e vai correr atrás da sua felicidade também. Antes sozinha, do que comprometida por piedade.

Se você se esforçar pra continuar a sua vida e parar de se lamentar, de fuçar no facebook do fulano, de ficar lembrando só das coisas boas do relacionamento e ignorando os problemas, você vai ser recuperar rápido. Depois de um tempo, nem vai mais lembrar da dor que sentiu – só quando senti-la de novo. Afinal, se quer amor, tem que estar preparada para a dor que pode vir junto. Já dizia o ditado:  “se não sabe brincar, não desce pro play.”

ps: pras horas mais tensas, aperte o play:

*Sugestão de tema: @steephaanies

Anúncios

16 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Stephanie ®
    jun 17, 2011 @ 17:28:15

    O jeito é erguer a cabeça e seguir em frente!! Sua vida não vai acabar, por mais que você ame, adore… Da mesmamaneira que você aprendeu a conviver com a pessoa, você aprende a viver sem ela, afinal: Você não nasceu grudado com essa pessoa!!!

    Adorei!! Arrasaram
    Parabens, Beijos Sté

    Responder

  2. Porps
    jun 17, 2011 @ 17:31:17

    Muito bom!!!

    Hoje em dia, algo que “piora” o sofrimento são as mídias sociais e a facilidade de se te informações um do outro… Se realmente chegou ao fim, remova mídias sociais… Ate o dia que ambos estarem num situação que podem ter um convívio saudável novamente!!!

    Nada como um dia após o outro…

    = ]

    Responder

  3. Flávia Diniz ∞
    jun 17, 2011 @ 18:18:47

    aaaaaah AMEI!e é exatamente assim!!!!!!

    Responder

  4. diariodeumamulherdespeRtada
    jun 17, 2011 @ 18:21:39

    Ótima sacada a frase: “antes sozinha do que comprometida por piedade”. Estou há dois anos separada e ainda não estou totalmente recuperada do chute, kkkkkkk
    http://t.co/PVRSlnR

    Responder

  5. @diegofavero
    jun 17, 2011 @ 18:38:56

    Sensacional esse post. Parabéns! Estou passando por esse momento e não há coisa pior no mundo que isso. Mas como todos me dizem: isso passa. Há muitos ensinamentos em levar um pé na bunda, você amadurece muito e passa a encarar as próximas “experiências” amorosas com muito mais cautela. Não podemos controlar nem nossa mente, quanto mais a mente de quem amamos. Levei esse “baque”, mas não tenho ódio, nem nada por ela. Aconteceu, como poderia ter acontecido o contrário. Eu a perdoo. Agora, é não se esconder do mundo porque tem muita gente que quer nos dar o valor que deveríamos ter recebido por nosso último amor. Vamos em frente e seja feliz!

    Responder

  6. Dora Delano
    jun 17, 2011 @ 19:18:41

    Acho que vocês tocaram num ponto essencial: o ego. O que dói mais é o EGO. Sem dúvida. E quem disser, não… é a falta, o costume, o amor.. não se iluda, é o seu EGO que quer que você acredite nisso… Depois que a gente se convence que talvez não seja tão indispensável assim [como gostaríamos desesperadamente de ser], fica tudo mais fácil. Inclusive quando você percebe que o mundo é enormeeeee e enorme é a quantidade de pessoas maravilhosas [ou pelo menos diferentes] que nele vivem.

    Dói, mas passa. Demora, mais passa. Mas a gente tem que querer que passe.

    Bjo bjo

    Responder

  7. Carina
    jun 17, 2011 @ 20:55:40

    Sensacional. O melhor é que minha mãe me diz a mesmíssima coisa! “Ninguém morre de amor…”

    Só vale ressaltar o cartão vermelho pro caras e garotas que dão um pé na pessoa, mas não deixam a pessoa esquecê-la. Por que acontece! Ahhhhh se acontece…

    Parabéns, casal!

    Responder

  8. @diegofavero
    jun 17, 2011 @ 21:08:01

    Carina, mas você não acredita em amizade após separação? Mesmo que essa separação não tenha vindo de uma briga?

    Responder

  9. Porps
    jun 17, 2011 @ 21:50:55

    Diego, a questão não eh a amizade, e sim a “Filhadaputagem” de ficar “procurando/cutucando/etc” para que a pessoa não te esqueça… Mesmo q inconscientemente….

    Responder

  10. @diegofavero
    jun 17, 2011 @ 21:59:39

    Porps, concordo. Agora que li seu comentário ali em cima falando da facilidade das midias sociais. É perfeita sua colocação! A curiosidade do ser humano é muito maior do que a razão em não olhar o status dela no twitter, facebook, ver o que ela fez e com quem tá falando. Isso só estava me deixando pior e quando tomeiu a coragem de deletá-la, melhorei MUITO. Olhar status e interpretar do jeito que você quer, é torturante. É aí que aquele ditado entra em ação “o que os olhos não vêem, o coração não sente”. Quando me sentir preparado, vou readicioná-la, com certeza. Espero que esteja muito bem e em outra.

    Responder

  11. Lasciva
    jun 17, 2011 @ 22:02:28

    Arrasaram! Com certeza a forma que você encara a coisa afeta diretamente como vai se sentir.
    É por isso que eu sempre me jogo na balada na hora do pé na bunda. Pode até não anestesiar na hora, mas estou tentando!
    ; )

    Responder

  12. Caio
    jun 18, 2011 @ 00:31:40

    Na minha opinião, o que mais incomoda no termino é aquele sentimento de posse, tipo, se ela não é minha não pode ser de mais ninguém ….

    Responder

  13. vick
    jun 19, 2011 @ 06:14:20

    bola pra frente que atras vem gentee tudo na
    vida passa vc vai aprender a supera a perca do amado bjsooo

    Responder

  14. Adriana
    jun 19, 2011 @ 22:48:19

    ah um ano aconteceu comigo isso fiquei mal………hoje em dia estou na faculdade, entrei pra academia bom estou vivendo muito bem agora ele ta querendo voltar…….. EU NÃO QUERO +.bjusss

    Responder

  15. Dália
    jun 20, 2011 @ 17:44:04

    MARAVILHOSO! Se não sabe brincar não desce pro Play:) ótimo! e só poderia terminar apertando o play de” I will survive”. Clap clap. Valeu gente:) beijos

    Responder

  16. Odora.*
    jun 21, 2011 @ 17:51:01

    Uma coisa que ainda faz as mulheres, e homens chorarem pelo pé ganhado, é que eles ainda colocam o outro como um ser supremo e perfeito…se perguntando 24 horas por dia: porque? porque?, e se debulhando em lágrimas.
    Uma dica que funcionou comigo e com muitas pessoas quais ouvi chorar por terem ganhado um pé no traseiro, foi a seguinte..: Manipule seus pensamentos, ao invés de lembrar daqueles momentos fofissimos e romanticos que vcs passaram juntos, lembre-se das pequenas cagadas que ele dava, coisinhas mínimas que no dia vc nem levou muito a sério, deixou passar… coloque essas coisinhas imperfeitas dele, maiores do que são.. sua mente vai entender que ele não é tão perfeito assim, talvez até beeeem menos do que vc imaginou a vida inteira. Assim seu coração vai tomando aquela pequena raiva do individuo que te deixou, e o amor profundo que existia passará a ser um “ódio”..não dizer que amor e ódio caminham lado a lado?? pois é, vc vai tomar birra da cara da pessoa, não vai querer vê-lo(a) nem pintado de diamante e vai ser mais fácil a superação. Com um tempo até o ódio passa, mas vc já não sofre mais, nem sente mais dor.. e estará pronto, ou pronta pra se apaixonar e viver o que a vida lhe trouxer de novo.* =)

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: