Coisas Que Achamos Sexy nas Mulheres – nos ajude a montar essa lista!


Escrevemos um post com tema: 21 Coisas que os Homens Nem Imaginam que Achamos Sexy, e agora é a vez das mulheres!

Nos ajude a montar a uma lista escrevendo coisas que você acha mais sexy em uma mulher. Passe a pesquisa pros seus amigos também – quanto mais opiniões, mais verdadeira a lista vai ficar!

A pesquisa é anônima e vai tomar menos que 30 segundos do seu tempo – para responder, CLIQUE AQUI.

Anúncios

21 Coisas que os Homens Nem Imaginam que Achamos Sexy


Homens nem imaginam o quanto podem ser sexy. E as coisas que fazem um homem ser charmoso, geralmente são pequenos detalhes. Fizemos uma enquete no twitter perguntando para as mulheres coisas que elas acham sexy nos homens e reunimos as respostas mais votadas aqui:

1. Barba por fazer – aquela que ele deixou acumular por uns 3, 4 dias;

2. Jeito mais largado – os que seguem estilo “boy” não são preferência das mulheres;

3. Mãos – de preferência grandes e bem cuidadas (sem unhas grandes!)

4. Camiseta branca + jeans;

5. O  jeito como eles brincam com bebês ou com cachorros;

6. Homens que dão beijo no rosto com a boca e não com a bochecha;

7. Cabelo bagunçado (sem gel!);

8. O jeito atrapalhado que eles secam o cabelo com a toalha depois do banho;

9. O jeito que ele abraça quando dormimos de conchinha;

10. Cueca boxer;

11. Atitude – aquele homem que sabe o que quer e não demora pra agir;

12. Homem cheiroso;

13. Ele cozinhando;

14. Blusa com gola V;

15. Aquele ossinho no quadril, junto com as entradas que apontam pro paraíso;

16. O modo como dirigem;

17. Ombros largos;

18. Homem que olha no olho;

19. Os pelinhos do “caminho da alegria”;

20. Teto mínimo de 1.80M;

21. Tatuagem.

Tem mais sugestões? Nos ajude a deixar a lista maior!

Trair x Ser Traído



Leia a parte 1 dessa série de posts sobre traição.
Leia a segunda parte dessa série de posts sobre traição.

Essa semana o Discovery Home & Health traz novamente a dupla Renata e Zander, falando sobre a difícil escolha entre saber ou não saber sobre uma traição, contar ou não contar. Os dois sempre contaram para o parceiro quando ocorreu uma traição, mas Zander confessa que prefere não saber, para evitar a paranóia. A Renata procura entender qual o tipo de traição e costuma perdoar.

Para nós, quando um casal começa um namoro, ele deve estabelecer acordos, logo no início da relação. Acordos decidindo em uma conversa informal o tipo de relacionamento que desejam ter: se monogâmico, se vocês podem ficar com outras pessoas, se os encontros familiares são obrigatórios, quantas vezes vocês desejam se encontrar por semana, se a mulher pode sair sozinha com as amigas para bares, se o homem pode jogar videogame quando a mulher está presente e por aí vai. Quanto mais o casal detalhar e afinar os seus acordos, focando na liberdade, individualidade e felicidade, melhor será o relacionamento.

O que não pode ocorrer é a quebra de um acordo. Ainda mais quando o combinado é que um é exclusivo do outro, sem carícias ou sexo com outras pessoas. Quem quebrar esse acordo será no mínimo oportunista e desonesto com a pessoa que escolheu livremente para amar, cuidar e dar prazer.

Por outro lado, precisamos levar em consideração que nós somos seres humanos, cometemos erros e falhamos. Existem situações realmente singulares, onde o acordo é quebrado até pela pessoa mais correta. Nesse caso, a melhor opção é contar o que aconteceu, sem dúvida. Melhor ainda seria conversar com seu parceiro antes de trair, antes de ir para o apartamento do moço ou levar a mulher para o motel. Se você está realmente certo de sua decisão, de que isso será bom para você de alguma forma, avise antes. Nós achamos que isso é o mínimo que a outra pessoa merece: Não ser enganado pela pessoa que ama.

Da mesma forma, saber é um direito que todos temos. Ninguém merece viver na dúvida ou pior, na enganação.

Pra entender e refletir sobre essas questões, assista ao programa “Traidores” passa toda a terça-feira, às 22h, no Discovery Home & Health. A cada episódio o público conhece a história de dois casais que traíram, de diferentes formas, cada uma com um final diferente. Vale a pena assistir.

.

Traidores, toda terça-feira, às 22h, na Discovery Home & Health.

Para saber mais:

Fan Page Discovery Mulher no Facebook

Twitter Discovery Mulher

.

Top 5 Músicas para o Sex Time – Parte II


Leia também: Top 5 Múscias para o Sex Time – Part II

Porque se transar é bom, transar com trilha sonora é melhor ainda.

Glory Box – Portishead

Closer – Nine Inch Nails

Islands – The XX

Stranglehold – Ted Nugent

 Bad Things – Jace Everett

Tem outras sugestões? Deixe-as junto com seu nome/twitter nos comentários desse post. Faremos uma seleção e sua música pode ser a escolhida para o próximo post.

Me enrolei, e agora? – “Se eu fosse você…”


Post de estréia da categoria “Se eu fosse você…”. A gente explica melhor como funciona AQUI, mas basicamente é o seguinte: Postamos uma pergunta anônima que recebemos de leitores querendo opiniões e vocês metem o bedelho na vida alheia nos comentários! Qualquer opinião é válida!

Olá,

Moro junto com minha noiva há 5 ou 6 anos e percebi que nós demos uma super esfriada nos últimos 6meses. Com isso, acabei conhecendo uma menina no meu trabalho, 11 anos mais nova que eu, e acabou rolando um clima – levei ela pro motel e ganhei de presente a melhor transa que ja tive na minha vida!!! O problema é que ela tem namorado e eu acabei me apaixonando… Não sei o que fazer pois sinto que amo minha noiva e não quero magoá-la. Que conselhos podem me dar???

E aí gente, o que fariam se fosse ele?

“Se eu Fosse Você…” – Nova Categoria no Blog


A gente recebe muitos emails por dia com perguntas e dúvidas dos leitores. A maioria deles, só quer ouvir uma opinião sobre seus problemas. Como não conseguimos dar conta de responder pra todo mundo, resolvemos criar uma categoria aqui chamada “Se eu fosse você…” , inspirada numa iniciativa criava pela Regina Navarro em seu blog.

Vai funcionar assim: publicaremos dúvidas que recebemos e os leitores deixam conselhos, opiniões e sugestões nos comentários. A gente também vai meter o bedelho na discussão. Assim conseguimos ajudar muito mais pessoas e de uma forma muito mais eficiente, porque o leitor vai poder ter acesso à diferentes pontos de vista.

Se você tem dúvidas, problemas, questões, desabafos e gostaria de participar, mande email com assunto “Se eu fosse você” para oisemvergonha@gmail.com . Explique brevemente seu problema. Seu email pode ser anônimo e a gente te avisa quando sua pergunta for pro ar!

O que acham da ideia?

Acabou! E agora? – Como Sobreviver a um Pé na Bunda


Mãe é um ser sábio. Me lembro quando, ainda um projeto de adolescente, corri pros braços dela pra chorar pitangas a cerca do meu primeiro pé na bunda. E ela, sabiamente disse – “Filha, tudo passa na vida. Ninguém morre de amor”. Na época pensei como toda adolescente que acha que os seus 14 anos  de vida lhe deram experiência suficiente pra saber mais do que o mundo: “Ela não sabe de nada. Não tem ideia de como estou sofrendo. Quero morrer.” A depressão durou algumas curtas semanas e logo já estava pronta para a próxima.

Depois do pé na bunda de estréia, vieram outros. E conforme você cresce e começa a viver relacionamentos reais e não estilo Malhação, a dor vem um pouco mais pesada também. Mas, hoje repito as palavras da matriarca – ninguém morre de amor. Pode perder uns quilinhos, faltar uns dias no trabalho, beber mais que o normal – mas morrer, nunca vi.

O pé na bunda dói tanto porque mexe na nossa casca de ferida – o ego. Se parar pra pensar, a gente sofre mais por termos sido dispensados, por imaginar que a outra pessoa vai ser feliz sem a nossa ilustre presença, do que pela falta da pessoa em si. É claro que a gente sente falta, mas o ser humano é uma criatura que se adapta em praticamente qualquer situação. No começo sente falta da companhia, como um amigo muito próximo que vai morar fora, mais depois de um tempo você já estabeleceu outra rotina e começa a se lembrar de como era sua vida antes. E percebe, que nem tudo está perdido.

Nesse momento, a fossa é necessária. É como a casquinha do machucado – dói, mas é o que recupera a ferida interna. Se permita chorar e escutar “ All by myself” no último volume – mas por um curto período de tempo. Depois, sacuda a poeira, dê uma chacoalhada em você mesmo e continue a sua vida. O mundo não para pra você sofrer.

O que eu não entendo, são pessoas que tomam um toco e ficam correndo atrás do ex que nem papparazzo atrás de artista global. Conseguiria entender se houvessem 10 pessoas no mundo – mas esse não é o caso. Se o fulano não te quer, você vai ter que aprender a viver com essa realidade: você não é a última bolacha do pacote. Deixe o outro ser feliz e vai correr atrás da sua felicidade também. Antes sozinha, do que comprometida por piedade.

Se você se esforçar pra continuar a sua vida e parar de se lamentar, de fuçar no facebook do fulano, de ficar lembrando só das coisas boas do relacionamento e ignorando os problemas, você vai ser recuperar rápido. Depois de um tempo, nem vai mais lembrar da dor que sentiu – só quando senti-la de novo. Afinal, se quer amor, tem que estar preparada para a dor que pode vir junto. Já dizia o ditado:  “se não sabe brincar, não desce pro play.”

ps: pras horas mais tensas, aperte o play:

*Sugestão de tema: @steephaanies

Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes

%d blogueiros gostam disto: