Tem Amor Pra Todo Mundo? – Uma Reflexão Sobre o Poliamor


A palavra poliamor – mesmo tendo um significado lindo de “múltiplos amores” – é, para muitos, sinônimo de swing, putaria, poligamia. Mas seu significado real nada tem a ver com isso. Poliamor é um tipo de relação interpessoal que recusa o modelo monogâmico, culturalmente tradicional na nossa sociedade, defendendo a possibilidade responsável de relações íntimas e profundas com várias pessoas ao mesmo tempo. Ou seja, você não só transa com outras pessoas, mas desenvolve outras relações completas com elas.

Você provavelmente está nesse momento pensando: Isso não existe, é loucura. Mas antes de julgarmos o conceito nos baseando em noções estereotipadas do assunto, vale dar uma olhada mais a fundo na questão.

AMOR COMO FONTE RENOVÁVEL

Você tem amigos que ama, certo? Não somente um, mas alguns. Tem também sua família – que pode ser bem grande: primos, tios, irmãos, pais, filhos – todos muito amados. E além de tudo tem o maridão, que recebe também uma parcela generosa de amor.

Se conseguimos amar tanta gente simultaneamente, por que o amor romântico tem que ser dado pra somente uma pessoa? Essa foi a sacada dos seguidores do poliamor. Eles entenderam que não dá pra gastar amor que nem dinheiro, é um sentimento infinito, que nem todos os outros.

E o Poliamor se diferencia do relacionamento aberto, porque não envolve somente sexo – as pessoas se permitem manter relações profundas com outras pessoas. O sexo passa a ser mais uma forma de diversão e intimidade, caso contrário, seria apenas mais um grupo de amigos.

Seria então uma forma educada de trair? Traição implica em mentira, em quebra de acordos. Dentro do poliamor, todo mundo sabe de tudo o que está rolando e todo mundo está de acordo e feliz da vida. A fidelidade aí perde a noção de posse do outro, do corpo ou do “coração” – a fidelidade assume o único e exclusivo sentido de confiança mútua.

MAS EU ME MORDO DE CIÚMES!

As pessoas que seguem esse estilo de vida afirmam que sentem, sim, ciúmes. Aliás a ideia de eliminar ciúmes da vida é algo utópico – é como querer eliminar pra sempre a raiva ou ansiedade. Sentimentos sempre vão existir e martelar na nossa cabeça, cabe à nós decidirmos como vamos lidar com eles.

E pra adotar o poliamor como forma de relacionamento, as pessoas envolvidas têm que estar muito cientes da existência do ciúme para saber exatamente como lidar com esse diabinho. Mas mesmo em relações monogâmicas, o ciúme só domina os mais inseguros, já que nao tem nada a ver com a outra pessoa – ciúme é um problema seu com você mesmo.

MAIS FÁCIL FALAR DO QUE FAZER…

Nunca tinha me aprofundado no tema do Poliamor até escrever esse texto. Sabia o que era, mas tinha sempre o julgamento superficial de que isso é loucura. Pesquisando mais sobre o tema, descobri que essa é uma forma de vida adotada por muitas pessoas no mundo todo. E muitas pessoas vivem muito felizes assim, obrigada.

Acho a ideia ótima, até por ter minhas dúvidas sobre a questão de ficar com uma só pessoa pro resto da vida. Mas ainda não me convenci que relacionamentos múltiplos podem satisfazer a todos os envolvidos com a mesma intensidade do que em uma relação de exclusividade. Acho que por mais que seja uma experiência muito rica pro indivíduo em si, o crescimento do relacionamento é prejudicado. Dividir amor pode ser lindo, mas dividir energia pode acabar trazendo conseqüências não tão agradáveis.

E você, conseguiria se adaptar a esse modelo de relacionamento? Pra te inspirar, te deixamos com uma cena de Vicky Cristina Barcelona – como você reagiria em uma situação como essa?

Para saber mais:

http://www.xeromag.com/fvpoly.html – Página muito completa, com FAQs acerca do Poliamor.

http://www.polyamorysociety.org – Um dos mais importantes e completos sites sobre o tema. Criado em 1992 por Jennifer Wesp, reúne uma vasta comunidade nos EUA e em todo o mundo.

http://movingtowardsecstasy.wordpress.com/ – Blog com relatos verdadeiros de um casal que vive o modelo de amores múltiplos.

Anúncios

Casal responde: Sexo X Igreja/ ménage & swing/ ciúmes do celular


No Casal Responde, selecionamos perguntas que recebemos e damos nossa opinião sobre os temas.

O vídeo de hoje é um Casal Responde, em que falamos um pouco sobre a questão do sexo X igreja, passando por alguns valores que essa instituição impõe; comentamos o caso da rotina no sexo e como alternativas como um ménage podem aliviar bastante a situação; discutimos também um pouco sobre privacidade nos relacionamentos, e os problemas que celulares e senhas podem causar.

Estamos esperando mais perguntas no oisemvergonha@gmail.com

E quem quiser nos acompanhar no twitter: @ksalsemvergonha.com

%d blogueiros gostam disto: